Os devaneios, sonhos, rotinas e alucinações de uma mulher comum que de comum não tem nada. Não será esta a melhor descrição para qualquer mulher... mas que sei eu... sou só uma tola...

09
Jun 14

Um dia disseram-me “Só podemos amar os outros na medida em que nos amamos a nós mesmos”. Somos seres estranhos que se devotam completamente a outra pessoa para depois passarmos a odiar o depósito do nosso amor sem vestígio do que nos uniu em primeiro lugar.

Amamos sem condição, esquecemos a nossa individualidade e perdemo-nos no processo sob pena de nunca mais nos recuperarmos completamente. Os que têm um relacionamento e mantêm a sua individualidade já estão juntos há tanto tempo que não já não amam… amigam. Porque podemos e devemos ser nós próprios com os amigos e então essa paixão forte, esse amor que nos consome, esse desejo que nos devora… passa… arrefece e esmorece. Mas se tivermos sorte, se houver respeito, se a história entre os dois for bonita… fica a amizade.

Então recuperamos a nossa individualidade, mas apenas após a paixão passar, recuperamos algo de que sentíamos falta… nós próprios, mas perdemos a fantástica sensação de sentirmos as borboletas na barriga e o coração a saltitar. Substituímos a paixão que tanta falta faz pela individualidade, porque temos que ter um ou outro e sem ambos não há alegria de viver.

Aqueles que não vivem sem paixão, aqueles cuja individualidade não chega para os preencher, passam a odiar o objecto do seu amor e partem em busca de novas paixões. Aqueles cuja individualidade os preenche ficam e amigam os que outrora amaram acomodando-se.

Todavia, o amor não é isto, somos habituados desde pequenos a admirar os casos raros e quase inexistentes de casais que se amam uma vida inteira… aqueles raros espécimes que vivem apaixonados uma vida inteira.

Se calhar então não sabemos amar, se calhar enganamo-nos chamando amor à paixão, à amizade, ao desejo, porque não nos amamos a nós mesmos, porque não nos respeitamos, porque nos esquecemos. Amor é fusão de duas almas que se entendem, falam a mesma língua e se reconhecem na sua diferença. Amar é divino, é arte e condição básica para a tão almejada felicidade.

Amem-se, apaixonem-se e respeitem-se… para amarem alguém.

publicado por Nessie às 16:14
sinto-me: Idiota (cheia de ideias)
música: Voámos em contramão - Pedro Abrunhosa

13
Nov 13

Amor… esse sentimento que nos pode salvar ou atirar para os braços da dor, que nos faz flutuar e sentirmos toda a felicidade do mundo em nós contida ou que nos inunda os olhos de lágrimas e seca o coração de qualquer alegria.

Amor… o Santo Gral que todos procuramos, o sentimento que faz rodar o mundo e a alma, o sentimento mais lindo e doloroso do mundo, a maior dicotomia do Homem. Ninguém vive realmente até experienciar esse doce carrasco que é o amor, ninguém sabe o que é felicidade até sentir o coração parar e bater mais depressa ao mesmo tempo só porque viu aquela pessoa, ninguém conhece a verdadeira doçura de um beijo até beijar os lábios da pessoa que ama.

Por este sentimento mata-se e morre-se, por este sentimento fazemos loucuras, atravessamos oceanos de adversidades, subimos montanhas de dificuldades íngremes e voamos por cima dos penhascos mais dolorosos… devido ao amor tornamo-nos heróis imortais ou indigentes perdidos. Ele pode ser encontrado ao virar de uma esquina, no meio da guerra, no café do bairro ou no sítio mais improvável de sempre… ele pode estar em todo lado ou em sítio nenhum.

Todos ansiamos as borboletas no estômago, o calor que percorre todo o corpo, o brilho no olhar e a adrenalina que nos enche de entusiasmo, mas também já todos sentimos o frio que nos invade, o vazio que se instala e o sentimento de que a escuridão não tem fim quando o nosso coração é partido ou quando o amor não é correspondido.

Ele chega de mansinho, sem nos apercebermos, começa com uma palavra, um olhar, um toque, uma empatia e depressa nos apercebemos que é tarde demais, que já não respiramos da mesma forma se não tivermos aquela pessoa na nossa vida. De repente e irremediavelmente mudamos, criamos em nós espaço para o outro e sem ele ficamos incompletos e vazios, a vida não faz sentido e tudo o que conhecíamos como sendo nós e o nosso mundo fica desordenado e, no entanto, nunca fomos mais felizes, nunca nos sentimos tão vivos, nem nunca a vida teve tanto sabor… afinal… é assim o amor.

publicado por Nessie às 15:07
sinto-me: Pensante...
música: I've got you under my skin - Frank Sinatra

12
Set 13

Ninguém nos avisa que o amor dói, ninguém nos diz que amar magoa tanto, que pequenas palavras outrora ignoradas passam a ferir qual lança impiedosa. A sensação de não conseguir respirar, o coração apertado, o total desamparo e a imensa solidão que se instala, marca e jamais cicatriza completamente. Afinal o tempo não apaga tudo, isso são quimeras de optimistas, ilusões de quem nunca sofreu por amor.

Cada lágrima que os olhos vertem são pequenas partes da alma que morrem e se esvaem em mar salgado. Os homens tendem a achar que é exagero, que as mulheres choram por serem sensíveis demais, subestimam as lágrimas da mulher, desprezam a sua dor e não compreendem que o amor morre um bocadinho em cada desilusão.

As mulheres tendem a amar demais, amam por si e por ele e entregam o coração completamente. Os homens tendem a não ter medo de perder as mulheres porque elas têm medo que chegue pelos dois.

Então afinal o que as mulheres querem? (perguntam eles)… é fácil…

As mulheres querem que os homens se lembrem delas, que mandem de vez em quando uma mensagem a dizer que a amam, que a abracem como se não houvesse amanhã, que sintam o cheiro do seu perfume como se fosse o melhor cheiro do mundo, que as beijem como se não houvesse melhor iguaria no mundo que os seus lábios. As mulheres querem que lhes acariciem o rosto e as olhem como se fosse a melhor coisa que lhes aconteceu, que se agarrem a elas a ver televisão só para sentir o calor do seu corpo, que as surpreendam de vez em quando com romance só porque sim, só porque a vida do lado delas é tão melhor, que as apoiem e ouçam sem julgar porque elas são tão mais fortes do que parecem, enfim, que não as esqueçam, que as respeitem e acima de tudo… que as amem.

publicado por Nessie às 17:03
sinto-me: Mulher...
música: Illegal - Shakira

30
Ago 13

As recordações batem no peito, trazidas no dorso de uma brisa, presas no olhar de uma onda, varridas pela força da vida. Procuro essas recordações, sinto o sabor de todas elas, vejo-as desfilar perante mim desafiadoras e ferozes.

Relembro, meu amor, todos os momentos que passamos juntos, todos os toques, todas as conversas, todas as histórias que construímos juntos, todos os planos que falharam e aventuras que reescrevemos, todos os momentos juntos e separados, toda uma vida entrelaçada. O tempo passa, a mente cansa, a memória começa a falhar, mas as recordações ficam presas à alma preenchendo e definindo-a.

Olhemos para trás em conjunto, lembremos os sorrisos, esqueçamos as tristezas, façamos com que o passado pareça simples e sem defeito, ponhamos de lado os momentos difíceis e agarremo-nos ao que foi bom para que, juntos, possamos encontrar o caminho. Esse caminho tão sinuoso que é a vida e que deixa tantos amores para trás, tantos corações quebrados e destroçados, tantos amigos abandonados.

Vamos ser eternamente um do outro, vamos encontrar sempre refúgio no coração um do outro, nunca nos esqueçamos de nós, vamos enfrentar a vida de mão dada e não de costas voltadas. Se lutarmos, se quisermos, se tentarmos, se nos agarrarmos ao bom e lutarmos contra o mau vamos conseguir… vamos, meu amor, vamos…

publicado por Nessie às 11:19
sinto-me: De coração cheio...
música: The way we were - Barbara Streisand

Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
favorito

O amor..

blogs SAPO